Vamos dar ao slide

Vamos dar ao slide

É uma das técnicas essenciais para qualquer guitarrista, e uma das ferramentas que devem fazer parte do seu material. O slide abre novas possibilidades para os músicos que gostam de experimentar sons novos na guitarra, e criar ambientes mágicos.

O slide deve ter surgido quando um guitarrista esvaziou a sua garrafa e decidiu deslizar o gargalo pelas suas cordas. Se calhar é por isso que associamos este som a temas mais introspectivos, mas a verdade é que pode ser usado de forma subtil ou extremamente vistosa.

Grandes guitarristas ficaram conhecidos como excelentes sliders, como Ry Cooder (banda sonora do Paris,Texas, por exemplo), Emmylou Harris, Eric Clapton, Rory Gallagher, Keith Richards, Duane Allman, Jimmy Page, e os homens do blues do delta do Mississippi como Elmore James e Robert Johnson. A música popular havaiana é também um dos géneros musicais que têm na slide guitar a base da sua estética sonora.  

Um slide é uma peça tubular em metal ou vidro que se coloca num dedo para deslizar ao longo do braço da guitarra. Os de metal são recomendados para guitarras acústicas, por darem um som mais brilhante e os de vidro usam-se mais em guitarras elétricas por serem mais suaves num sistema amplificado. O que não invalida que usem um ou outro nas vossas guitarras.

Podem ser usados em guitarras normais, ou em lap steel, que são guitarras elétricas que se tocam deitadas e que servem especificamente para serem tocadas com um slide. As guitarras Resonator são ideais para se tocar com slide.

Mas para tirarem o máximo proveito e o melhor som de um slide, é preciso ter em conta alguns pormenores.

Afinações

Muitos músicos utilizam afinações alternativas para poderem ter as notas todas que precisam no mesmo local onde o slide está colocado. As mais comuns são:

Open G: D - G - D - G - B - D (se colocarem um travessão no segundo traste passa a Open A )

Open D:  D - A - D - F# - A - D (se colocarem um travessão no segundo traste passa a Open E )

Nota: Recomendamos que, para não abusar muito das cordas e se estiverem só a experimentar esta técnica, que usem o travessão ou capo para obter Open E e Open A.

Com estas afinações temos acordes definidos ao longo do braço, pelos quais podemos navegar em progressões de blues, por exemplo.

Existem muitas outras afinações, mas estas são as mais indicadas para se iniciarem por vossa conta ou tocar em conjunto.

Preparar a guitarra

Para ter um som de qualidade, o melhor será levantar um pouco a acção das cordas, para evitar que trastejem. Cordas mais grossas (.011 para as guitarras elétricas) e de maior tensão são indicadas para que o som seja mais sustentado. Para as guitarras acústicas, cordas .013 são uma boa escolha, mas tenham em conta que cordas mais grossas são mais difíceis de tocar se a quiserem usar sem slide. Podem preparar uma só para isso ou então vão ter que fazer muita musculação na mão que faz os acordes. Vejam sempre se o vosso braço está em condições para aguentar um pouco de tensão extra, não comecem com uma guitarra e acabem com um arco para atirar flechas.

Nas guitarras elétricas, o melhor é sempre nivelar o som de forma a que se possa ser subtil mas sem ficar tudo misturado quando se aumenta a intensidade.

Um truque para quem não quer ter ressonâncias extra na execução de melodias é colocar um pano, ou um punho desportivo no início do braço, do lado dos afinadores. O que importa é que abafe um bocadinho as cordas para não começarem a soar sozinhas.

Técnica

A técnica varia de músico para músico, e começa desde logo no dedo que escolhemos para usar o slide. Pode ser qualquer um - o polegar não dá muito jeito, mas é convosco - e depende muito se vão usar os outros dedos para tocar outras notas em conjunto com o slide. O que importa é que se sintam confortáveis.

Uma das possibilidades que o slide dá é a utilização de um vibrato intenso, agitando o slide rapidamente à volta da nota que querem destacar. O que devem fazer sempre é aprender com os mestres, para um dia poderem chegar ao nível do Sonny Landreth.

Ou de Derek Trucks.

Como técnica pontual ou estilo definido, tocar com um slide é uma aproximação diferente à guitarra e que abre o seu potencial sonoro, e o potencial técnico e musical de quem o usa.

Sonny Landreth dá uma pequena aula que vos poderá ser muito útil.

Se quiserem começar já a dar ao slide temos de vidro e metal, e as cordas e guitarras que precisam no Salão Musical de Lisboa. Deslizem até à nosa loja online e façam-nos uma visita.

Publicado no dia 2019-01-08 por Salão Musical de Lisboa Cordas 0 290

Deixar um comentárioDeixar uma resposta

Tem que ter a sessão iniciada para poder comentar este artigo.

Procurar no blog

Categorias do blog

Sem produtos

A ser calculado Portes de envio
0,00€ IVA
0,00€ Total

O preço incluí IVA

Pagar