Como cantar e tocar ao mesmo tempo

Como cantar e tocar ao mesmo tempo

Cantar e tocar ao mesmo tempo deve ser feito assim que se começa a aprender um instrumento. Com um instrumento de sopro é capaz de ser complicado, mas quem tem o aparelho fonador livre deve ser incentivado a fazê-lo. Para além de ganharmos uma maior noção melódica e rítmica, aprendemos a deixar que as mãos façam o seu trabalho sem nos preocuparmos demasiado. Pensar demais no que estamos a fazer não ajuda nada.

Se estão apenas a fazer ritmo numa guitarra, até que nem é complicado, mas se tocam bateria ou baixo pode ser complicado. Mas temos o Levon Helm que assumia muitas vezes a voz nos The Band e o Mark King dos Level 42 que slapa e canta como se não fosse nada de mais. Um verdadeiro rei. E ainda masca pastilha.  

Como é que eles conseguem. Prática e coordenação. Como é que vocês também podem conseguir? É uma mistura de mentalidade e prática.

Tocar e cantar são um só

Se querem cantar e tocar uma canção têm que perceber como é que a melodia da voz e o ritmo da letra se encaixam no trabalho do instrumento que estão a tocar. Quando perceberem como as duas partes estão relacionadas, tudo se torna mais fácil, e a voz passa a ser a extensão do trabalho harmónico que fazem no vosso instrumento.

Vejam onde é que os acordem mudam na letra. Acompanhem a música tocando apenas o acorde é tocado e cantem ao mesmo tempo para saber onde estão as mudanças.

Comecem por músicas simples

Não desatem a tentar tocar baixo e a cantar o Running in the Family. Quer dizer, até podem se fizerem a versão simplificada. Comecem por músicas que gostem e que conheçam, com harmonias e melodias simples, e de que saibam as palavrinhas todas. Usem folhas com os acordes e as letras, existem muitos sítios online onde podem encontrar a vossa canção.

Conhecer o que estão a tocar

Mesmo que seja uma música de quatro acordes, se não souberem quais são e a sequência, vão estar sempre a pensar no que vem a seguir. Acontece o mesmo com a voz. Não sabem a letra e a melodia? Vão estar a tentar lembrar-se disso e depois as mãos atrapalham-se ou sai desafinado. Decorem as progressões, as vossas partes (mesmo que façam apenas o coro no refrão) e depois juntem tudo.

Ultrapassar dificuldades

A voz tem uma parte complicada? Dominem-na sem estarem a tocar. A parte instrumental tem ali uma secção difícil? Toquem-na com a banda ou sozinhos, se estiverem a solo, sem cantar. Pratiquem até criarem memória física e todas as transições fluírem naturalmente.

Ritmo

A batida do Last Christmas dos Wham é sempre a mesma na parte vocal, tirando umas batidas e breaks a assinalar o fim das frases. Se repararem, e se desmontarem a letra, a métrica assenta perfeitamente no refrão. Percebam onde é que algumas sílabas caem nos tempos, e terão maior facilidade em coordenar o vosso ritmo com a melodia.

Mas para ter bom ritmo, habituem-se a tocar com metrónomo. As várias partes têm que caber nos compassos, e se souberem encaixar a melodia da voz e o trabalho do vosso instrumento nos tempos certos, é mais fácil.

Desacelerem a vossa versão de treino, até conseguirem ter tudo no tempo certo. Depois, aumentem o andamento, gradualmente.

Não façam tudo

Querem fazer solos, querem fazer os acordes complicados, querem ter a parte dos contratempos e assumir o tema na assinatura rítmica marada e ainda cantar? Ou seja, querem ficar com a diversão toda. Uma banda é uma equipa, e cada um pode fazer partes diferentes para que outros assumam outras responsabilidades e estarem mais seguros e descontraídos no que têm de fazer. Explorem as capacidades de cada um, e se querem fazer coisas diferentes, variem de música para música.

Os The Band eram mestres nisto, com vários dos seus elementos a assumirem a voz durante as canções e em canções diferentes. Nesta versão do clássico The Weight, até contam com a ajuda preciosa das Staple Singers.

Sejam eficientes

Ao vivo as bandas raramente tocam tal e qual como nas gravações. Simplifiquem as vossa versões em concerto para que possam desfrutar de estar em palco, destacar as partes fortes da música e não estarem apenas concentrados no que estão a tocar. Para isso, também têm que ensaiar muito, ao ponto de nem pensarem no que estão a tocar.

O Keith Richards gravava oito faixas de guitarra e em palco fazia o essencial, para ter espaço para ser o deus do rock que sempre foi. E entregava algumas das suas partes à responsabilidade do guitarrista que o acompanhava. Ele quase que passa mais tempo a passear pelo palco do que a tocar.

Vocês querem é o vídeo a explicar como fazer tudo em três passos fáceis, não é? Ora cá vai, especialmente para guitarristas, mas os princípios básicos aplicam-se a qualquer instrumento.

Comecem devagar, conheçam a música, pratiquem, não é muito mais do que isto. E se precisarem de tripés e microfones para poderem cantar amplificados, visitem a nossa loja online, temos tudo o que precisam para cumprir o vosso potencial musical.



Publicado no dia 2019-01-18 por Salão Musical de Lisboa Atualidade 0 155

Deixar um comentárioDeixar uma resposta

Tem que ter a sessão iniciada para poder comentar este artigo.

Procurar no blog

Categorias do blog

Sem produtos

A ser calculado Portes de envio
0,00€ IVA
0,00€ Total

O preço incluí IVA

Pagar