Salão Musical de Lisboa Loja de instrumentos musicais desde 1958
Salão Musical de Lisboa Loja de instrumentos musicais desde 1958

Usamos cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Configuração de cookies

Costumização
  • Cookies de terceiros para fins analíticos.
  • Mostre recomendações personalizadas com base na sua navegação em outros sites.
  • Mostre campanhas personalizadas em outros sites.
Funcional (obrigatório)
  • Necessário para navegar neste site e usar suas funções.
  • Identifique você como um usuário e armazene suas preferências, como idioma e moeda.
  • Personalize sua experiência com base em sua navegação.

Para que servem os Pedais do Piano: Guia Completo para Pianistas

Publicado por2024-07-10 por 77
Guardar

Para que servem os pedais de piano e como os usar? Descubram tudo o que precisam de saber neste guia completo.

Os pedais do piano são ferramentas poderosas que permitem dar uma maior expressividade à música. Mas o que são e como os usar?

Dominar estes mecanismos simples abre um universo de possibilidades sonoras, desde melodias etéreas e sustentadas até acordes majestosos e ressonantes, para além de permitirem criar contrastes e dar outra vida às peças musicais.

Neste guia completo, vamos desvendar os segredos dos pedais do piano, conhecer a sua história, e explorar as suas funções e aplicações práticas.

ÍNDICE

História dos Pedais de Piano: de Bartolomeo Cristofori até aos pianos modernos

Cronologia moderna: Pianos com mais (ou menos) do que três pedais e outras ideias originais

Quais são os pedais do piano e para que servem?

Pedal Sustentação (Sustain): som prolongado e etéreo

Pedal Una Corda: definição e subtileza

Pedal Sostenuto: notas definidas sobre uma base sustentada

Como Usar os Pedais do Piano

Técnicas de pedal de piano

Como Ler a Notação dos Pedais na Pauta

Como dominar a técnica de pedal de piano

Notas Finais

História dos Pedais de Piano: de Bartolomeo Cristofori até aos pianos modernos

Os pedais do piano são essenciais para pianistas de todos os níveis, mas só existem nesta configuração há relativamente pouco tempo. São uma criação que surgiu da necessidade de uma maior expressividade musical e a sua história está ligada à evolução do próprio piano, desde os primórdios até aos modelos mais recentes e sofisticados.

A história dos pedais do piano começa no início do século XVIII, com a invenção do piano por Bartolomeo Cristofori, em 1709. Cristofori, um talentoso construtor de instrumentos italiano, queria ultrapassar as limitações do cravo, um instrumento que oferecia pouca variedade dinâmica e expressividade.

Leiam a História do Piano no Salão Musical

Os primeiros pianos de Cristofori não possuíam pedais no sentido moderno. Em vez disso, apresentavam mecanismos rudimentares que permitiam ao pianista alterar o timbre do som. Um desses mecanismos, chamado de "pedale di piano e forte", permitia alternar entre sons suaves e fortes, expandindo a paleta sonora do instrumento.

Ao longo do século XVIII, a ideia dos pedais do piano continuou a evoluir. Gottfried Silbermann, um fabricante de pianos alemão, aprimorou os mecanismos de Cristofori, criando um pedal de sustentação rudimentar que levantava todos os abafadores das cordas, permitindo que elas continuassem a vibrar livremente. Johann Cristoph Zumpe (1767) melhorou o sistema com pedais para abafadores graves e agudos e, em 1771, Americus Backers apresentou o primeiro piano de cauda com dois pedais integrados que incorporava um pedal una corda e um pedal geral para levantar os abafadores.

Os pedais nem sempre foram usados com o pé. Até ao final do século XVIII surgiram na Europa diversos mecanismos para alterar a sonoridade do piano, acionados por pedais manuais, alavancas de joelho ou comandos.

Os pianos com três pedais surgiram já no início do século XIX, com John Broadwood a popularizar o uso de três pedais em pianos de cauda na Inglaterra, em 1806: una corda e dois pedais de abafador (graves e agudos).

Cronologia moderna: Pianos com mais (ou menos) do que três pedais e outras ideias originais

Os pianos nem sempre têm três pedais, muitos dos instrumentos modernos usam apenas dois. Mas na evolução deste mecanismo houve quem achasse que três pedais não eram suficientes. Conrad Graf (1825) chegou a ter cinco pedais em seus pianos, que, posteriormente, reduziu para quatro.

Em 1835, a maioria dos pianos de cauda e verticais possuía dois pedais, o una corda e o pedal direito (abafador), uma configuração que se tornou padrão.

Houve outras ideias que tentaram expandir as possibilidades dos pedais de expressão do piano, aplicando configurações e funcionalidades distintas:

- Jean-Louis Boisselot (1844) apresentou um mecanismo de sustentação seletiva, mas a ideia não se popularizou.

- Steinway & Sons (1874) patenteou o pedal de sustentação, um marco na história dos pedais.

- Paolo Fazioli (1987) introduziu um quarto pedal no piano F308, reduzindo a profundidade do teclado e a intensidade sonora.

- Stuart and Sons (1996) criou o "dolce pedal", diminuindo a distância entre martelo e corda para reduzir a intensidade sonora.

- Denis de la Rochefodière (2006) inventou o "pédale harmonique", um quarto pedal com efeitos de ressonância e "rémanence" (reverberação).

Algumas ficaram, outras são agora curiosidades na evolução deste instrumento magnífico que é o piano, definindo o seu som em certas épocas. Vejam este piano com cinco pedais e os sons que produz.

O artigo científico “Pedaling the Piano: A Brief Survey from the Eighteenth Century to the Present Pedaling the Piano: A Brief Survey from the Eighteenth Century to the Present” (PDF), de Sandra P. Rosenblum conta a história dos pedais de piano em maior pormenor, se estiverem interessados.

Quais são os pedais do piano e para que servem?

Vamos conhecer os três pedais que podemos encontrar em pianos de cauda, como funcionam e o que fazem. Da direita para esquerda temos:

  • - pedal de sustentação (sustain)
  • - pedal sostenuto
  • - pedal una corda

Pormenor
dos pedais do piano de cauda Pearl River GP150 PE Classic Baby Grand

Pormenor dos pedais do piano de cauda Pearl River GP150 PE Classic Baby Grand

Pedal Sustentação (Sustain): som prolongado e etéreo

O pedal da direita, também conhecido como "sustain", é o mais utilizado pelos pianistas.

O pedal de sustentação moderno, como o conhecemos hoje, foi patenteado em 1783 por John Broadwood, um fabricante de pianos inglês. O design inovador de Broadwood permitia ao pianista controlar o sustain de forma mais precisa e individualizada, abrindo novas possibilidades para a expressão musical.

O efeito que produz é prolongar o som das notas, mesmo após as teclas serem soltas. Isso acontece porque o pedal levanta os abafadores das cordas, permitindo que continuem a vibrar livremente.

Efeitos do Pedal Sustentação:

- Legatos : O sustain permite ligações suaves entre as notas, proporcionando um efeito legato fluido e expressivo.

- Acordes Ressonantes: Com o pedal acionado, os acordes ganham uma sonoridade mais rica e complexa devido à sobreposição das vibrações das diversas cordas, criando uma atmosfera densa e envolvente.

- Ênfase: Em momentos de grande expressividade, o pedal sustain pode ser usado para enfatizar notas importantes ou criar um crescendo emocionante.

Pedal Una Corda: definição e subtileza

O pedal esquerdo, também conhecido como "una corda", modifica o timbre do piano, tornando o som mais suave e delicado. Isso acontece porque o mecanismo desloca os martelos, fazendo com que eles batam em apenas uma das cordas por nota, em vez de duas ou três.

Foi introduzido no final do século XVIII com a função de modificar o timbre do piano, tornando o som mais suave e delicado, dando maior contraste às notas e fazendo sobressair as melodias mais delicadas.

O som que sai do piano com este pedal ativado tem menos volume, o que permite criar ambientes com características mais serenas e intimistas.

Efeitos do pedal una corda:

- Intimismo: O pedal una corda é ideal para criar um clima intimista e introspectivo, já que tem menos volume e sustentação.

- Clareza em Passagens Complexas: Em passagens com acordes densos ou melodias intrincadas, o una corda pode ajudar a destacar cada nota individualmente, proporcionando maior clareza e nitidez ao som.

- Efeitos Especiais: Os pianistas mais experientes usam o una corda para criar sonoridades menos pianísticas, como imitar harpas ou guitarras.

Pedal Sostenuto: notas definidas sobre uma base sustentada

Alguns pianos acústicos possuem um terceiro pedal, chamado de "sostenuto". Sua função é semelhante ao sustain, mas com uma particularidade: ele sustenta apenas as notas que são tocadas no momento em que o pedal é acionado. As notas pressionadas posteriormente não são afetadas.

Efeitos do Pedal Sostenuto:

- Camadas Sonoras: O pedal sostenuto permite criar camadas complexas de som, sustentando algumas notas enquanto toca outras que não estão sustentadas. Imaginem um baixo ressoando em fundo enquanto improvisam uma melodia em que todas as notas são mais curtas e estão bem definidas no tempo.

- Efeitos Dramáticos: Em peças com mudanças bruscas de dinâmica, o sostenuto pode ser usado para criar efeitos dramáticos, cortando abruptamente algumas notas enquanto outras continuam ressoando.

- Liberdade Criativa: O sostenuto abre um leque de possibilidades criativas para pianistas experientes, permitindo explorar novas texturas e sonoridades.

A melhor forma de mostrar como funciona o sostenuto é comparando-o com o pedal de sustentação:

Como Usar os Pedais do Piano

Agora que sabemos como e quando surgiram e que efeitos podemos criar com eles, vamos tentar perceber como usar os pedais do piano. Naturalmente, o pedal mais usado é o de sustain. É tão importante usar esse pedal que os pianos digitais muitas vezes só têm esse pedal como acessório. Portanto, se tiverem que dominar a técnica de um pedal, dominem o de sustain.

Pedal
Roland Sustain DP 10 - Piano Digital

Pedal Roland Sustain DP 10 - Piano Digital

Técnicas de pedal de piano

O pedal direito, chamado de sustain, damper ou de ressonância, ocupa uma posição de destaque nos tratados, sendo considerado crucial para obter o som mais natural do piano. Suas técnicas são complexas e variadas, destacando-se:

Pedal Legato: Uma técnica básica que consiste em tocar uma nota ou acorde e, em seguida, acionar o pedal. Após tocar outra nota ou acorde, o pedal é solto e pressionado novamente, permitindo uma ligação suave entre as notas.

Pedal Rítmico: Consiste em pressionar o pedal simultaneamente à execução das notas ou acordes. Isso enfatiza a ressonância das harmonias e é útil para enfatizar staccatos, ritmos e acentos rítmicos.

Meio Pedal: Esta técnica inclui a troca parcial do pedal, onde o pianista libera parcialmente o pedal para manter parcialmente a sonoridade, e a pressão parcial do pedal, onde o pedal não é pressionado completamente, permitindo uma variedade de efeitos sonoros.

Pedal Vibrato: Caracterizado pela pressão e troca rápida do pedal, o pedal vibrato mantém o som sem prolongá-lo demasiadamente. É eficaz em obras com andamentos mais lentos e pode ser usado para controlar a diminuição gradual do som.

Essas técnicas, quando aplicadas com precisão e sensibilidade, permitem ao pianista criar uma variedade de texturas sonoras e expressar-se com maior profundidade e emoção. Dominar as nuances do pedal de piano é essencial para alcançar uma performance polida e cativante.

O pedal central, ou sostenuto, é muitas vezes negligenciado, sendo o menos abordado nos tratados sobre pedal de piano. Isso deve-se em parte à percepção de que este pedal não contribui significativamente para a variedade de timbres e diferenças sonoras.

Alguns estudiosos chegam a afirmar que, em muitas peças, o uso do pedal central não é necessário, o que contribui para a escassez de informações sobre o assunto.

Enquanto o pedal direito permite a livre ressonância de todas as cordas do piano, o pedal central tem uma função mais específica: afasta os abafadores das notas que já foram executadas, permitindo seu prolongamento sonoro. No entanto, uma das peculiaridades do pedal central é que ele deve ser pressionado inteiramente, sem posições intermediárias, ao contrário dos outros dois pedais.

Técnica de Nota Pedal: Uma das principais técnicas associadas ao pedal central é a nota pedal, onde uma nota ou acorde ressoa enquanto outras notas são tocadas sem sustentação.

É importante prestar atenção ao usar o pedal central em conjunto com o pedal direito pois pressionar ambos simultaneamente pode anular os efeitos desejados. O pedal direito afasta todos os abafadores das cordas, enquanto o pedal central mantém os abafadores afastados apenas das notas já tocadas. Pressionar ambos simultaneamente resultaria na anulação das trocas feitas pelo pedal direito.

O pedal esquerdo, ou una corda, ajuda a obter timbres diferentes e contrastes sonoros. Uma das técnicas mais conhecidas é a criação do efeito de "eco" no piano, onde o som é prolongado de maneira subtil e reverberante.

Técnica do Eco: Ao aplicar o pedal esquerdo, os martelos são deslocados, permitindo que o som seja prolongado de forma semelhante a um eco. Este efeito é exemplificado na Sonata Op.31, nº3 de Beethoven.

No entanto, o uso do pedal esquerdo não se limita apenas a este efeito.

Expressividade e Intensidade: Em passagens que exigem maior volume sonoro, o pedal esquerdo pode ser utilizado para aumentar a intensidade expressiva, mesmo em trechos com dinâmica mezzo forte. Nesses casos, o pedal esquerdo suaviza o som do instrumento, conferindo-lhe uma qualidade mais misteriosa e sussurrante.

Meio-pedal esquerdo:

É importante exercer alguma cautela ao empregar o pedal esquerdo, especialmente em passagens que exigem uma dinâmica mais intensa. Nestes casos, o meio-pedal esquerdo pode ser preferível, pois permite um contato mais suave das partes dos martelos com as cordas, resultando num som mais controlado e delicado.

Segundo alguns autores, as últimas cinco sonatas de Beethoven são um exemplo da sua aplicação para criar momentos "místicos", mesmo em dinâmicas que não sejam piano. Isso demonstra como o pedal esquerdo pode ser utilizado para criar atmosferas específicas e transmitir sensações subtis ao público.

Algumas informações sobre estas técnicas - e também sobre a história dos pedais de piano - foram retiradas da dissertação de Mestrado “Um pouco sobre o pedal - Uma abordagem geral ao pedal e a sua implementação no ensino do piano”, de Eugénia Vladimirovna Chvets, apresentada à Universidade de Aveiro em 2010, e também da “Análise de Tratados sobre a Pedalização ao Piano”, a dissertação de Mestrado em Música do Centro de Letras e Artes da UNIRIO, de Eduardo Lagreca Fan, em 2016.

Mas vejam e ouçam neste vídeo as várias técnicas de pedais, tanto no pedal de sustentação como no de una corda.

Como Ler a Notação dos Pedais na Pauta

Notação dos Pedais na
Pauta

As partituras trazem símbolos a indicar a utilização dos pedais do piano. Existem três marcações comuns de pedal usadas para controle: accionar, libertar (ambas para o pedal de sustentação) e marcas de pedal variável, que são linhas para indicar a ativação e a libertação do pedal.

Muitas vezes, surge a indicação de pedal para indicar em que momento deve ser accionado, seguido de um asterisco que avisa quando é que deve ser libertado.

Como dominar a técnica de pedal de piano

A melhor forma de dominar a técnica de pedais é estudar com um professor de piano. Um professor experiente pode ajudar na interpretação da notação de pedal e auxiliar no desenvolvimento da vossa técnica e expressão. Mas existem outras formas de aprender a usar os pedais:

- Analisem gravações de grandes pianistas: observem como pianistas famosos utilizam os pedais nas suas atuações e inspirem-se nelas para as vossas próprias interpretações. Se não tiverem acesso a vídeo, aprendam a ouvir quando e qual pedal é ativado durante a interpretação de uma peça.

- Espetáculos ao vivo: melhor do que uma gravação áudio ou vídeo é ver ao vivo como os pianistas usam o pedal. Se já costumam ir ver concertos como parte da vossa formação musical, olhem para os pés em vez de ficarem deslumbrados com o trabalho de mãos.

- Explorem diferentes estilos musicais: Cada estilo musical possui as suas próprias convenções no uso de pedais. Experimentem tocar músicas de diferentes géneros para ampliarem o vosso conhecimento e expressividade.

- Componham as vossas próprias músicas: Compor permite explorar a utilização dos pedaisl de forma criativa e desenvolver um estilo próprio, para além de perceberem em primeira mão que tipo de efeito precisam de aplicar em determinados momentos da vossa música.

Notas Finais

Os pedais de piano são uma parte fundamental da interpretação musical neste instrumento incrível. Se já têm um, tomem atenção ao seu funcionamento, já que, devido ao seu uso constante, necessitam de alguma atenção técnica regular. O Salão Musical faz a manutenção de pianos há décadas, e os pedais são sempre um dos componentes a que damos atenção.

Se têm um piano ou teclado digital mas ainda não têm um pedal, temos também pedais que podem ligar e retirar o máximo do potencial expressivo do vosso instrumento.

Mas se não têm um piano ainda, visitem a nossa loja online, e vejam que instrumentos e acessórios temos para poderem aprender a tocar piano. Vão ver que não custa tanto como pensam.

Pianos Acústicos, Digitais
e acessórios no Salão Musical

Pianos Acústicos, Digitais e acessórios no Salão Musical

Foto de Mitchell Luo na Unsplash

Tag: piano, pedais
Deixar um comentário
Deixar comentário
Faça login para inserir um comentário
Salão Musical de Lisboa Loja de instrumentos musicais desde 1958

Salão Musical de Lisboa

Crie uma conta gratuita para guardar produtos favoritos.

Registar