Como passar da guitarra para o baixo

Como passar da guitarra para o baixo

Quem sabe tocar guitarra sabe tocar baixo, certo? Errado. São dois instrumentos da mesma família mas com técnicas e objectivos diferentes. Mas, se tocam guitarra e quiserem tocar baixo como um baixista, temos alguns conselhos para vocês.

Primeiro, têm que ter noção das diferenças entre os dois instrumentos. A guitarra é um instrumento melódico e harmónico, enquanto que o baixo é principalmente um instrumento rítmico, usado para suportar a harmonia, se bem que pode ser usado para melodias (ver Peter Hook e a sua obra).

As características físicas de um baixo são também muito distintas, o que afecta toda a técnica e leva a uma abordagem completamente diferente do que se tem numa guitarra. As cordas são mais grossas, o braço é maior e os trastes são mais espaçados. Os movimentos das vossas mãos são completamente diferentes de um para outro instrumento.

Outra grande diferença é que um baixo, no seu modelo tradicional, tem quatro cordas, correspondentes às quatro cordas de cima de uma uma guitarra. Da mais grave para a mais aguda: Mi - Lá - Ré - Sol. E todas estão uma oitava abaixo da afinação da guitarra.

Mesmo assim, quem toca com seis cordas e sabe acordes, as suas estruturas e escalas, está pronto para tocar baixo, não é? Não.

O baixo é tocado normalmente nota a nota, em arpejos ou notas únicas assentes na estrutura fundamental do acorde na harmonia. Um acorde de Lá maior pode ser tocado no baixo com um Lá ou uma sequência de Lá - Dó#- Mi, ou seja, 1-3-5, ou Tónica - Mediante - Dominante. É claro que pode ser mais complicado do que isto, basta pensar em passagens cromáticas entre notas fundamentais, mas é uma base para se começar.

Porque, para se tocar baixo, tem que se ter uma aproximação mental completamente diferente. O melhor amigo do baixista numa banda não é o guitarrista nem o vocalista. O seu companheiro de trabalho é o baterista. Os dois compõem a secção rítmica de uma banda. Se no departamento rítmico forem fraquinhos, não há harmonia ou tema que vos safe. É que, na altura de dançar, não é a melodia do refrão que vos põe a mexer: é a batida e o baixo.

Um bom baixista liberta o guitarrista para poder passear pelo braço da guitarra - no tom certo - e fazer arpejos, pequenas linhas, inversões de acordes, sem que a estrutura harmónica e o ritmo se percam. E um bom baixista sabe usar as notas ao seu dispor para fazer linhas melódicas ou dar uma maior dinâmica em harmonias com uma componente rítmica forte. Ou seja, uma canção de dois acordes em que a guitarra faz só ritmo pode ser muito dinâmica com o baixista certo.

Por exemplo, ouçam o baixo e a forma como é tocado de maneiras diferentes sobre a mesma progressão harmónica, onde bate com o bombo, onde dá mais notas quando tem espaço para isso, onde dá espaço aos outros instrumentos para que possam brilhar.

E depois, há o balanço. Há músicos que o têm, outros que não. A maioria dos guitarristas não são escravos do ritmo, nem se preocupam com groove, a não ser que sejam fãs de géneros específicos como o funk ou o soul. Normalmente, os guitarristas preocupam-se mais com velocidade do que com marcação de tempo. Mesmo um baixista veloz sabe que se não tiver expressão não é nada. Façam uma experiência: agarrem num sequenciador e criem uma linha de baixo simples, num ritmo básico. Agora toquem essa linha num baixo a sério e vejam a diferença. Nas vossas mãos pode ser igualmente exata até ao millisegundo mas tem outra sensação, é mais orgânica.

Mas este artigo é para guitarristas. Ora, não pensem que passar da guitarra para o baixo é uma despromoção. É apenas uma filosofia musical diferente, muito assente na responsabilidade em manter a base da música; no trabalho em equipa, por fazer a ligação entre o ritmo e a melodia/harmonia; e na contenção, em saber dar as notas certas, nos tempos certos, na quantidade necessária.

Um guitarrista pode falhar algumas notas que não há problema, mas um baixista está proibido de o fazer, com risco de estragar a música por completo. É como aqueles centrocampistas que só se dá por eles quando não estão lá.

Vejam este vídeo do Adam Neely que vos dá algumas ideias sobre como passarem da guitarra para o baixo.

Resumindo:

  • pensar diferente, não da mesma forma como pensam quando tocam guitarra;

  • tocar com os dedos e usar a corda acima para ter aquele batimento;

  • usem bem o(s) dedo(s), e aplicar a técnica de dedilhado adequada;

  • colocar a mão no braço de uma forma confortável, porque o baixo tem trastes maiores;

  • ouçam o bombo. E a tarola. Toquem com um, calem-se no outro (é uma ideia);

  • o baixo tem que soar a um baixo;

  • tenham propósito nas notas que tocam, todas são importantes;

Convencidos? Não desistam da guitarra para se dedicarem ao baixo só porque acham que é mais fácil, porque não é. É apenas diferente. O ideal é aprenderem a tocar os dois e tornarem-se melhores músicos.


Se já investiram numa guitarra e não querem dar cabo do orçamento com um baixo, vejam os packs de baixo+amplificador que temos no Salão Musical de Lisboa. Está na hora de dominarem o ritmo.

Publicado no dia 2019-01-28 por Salão Musical de Lisboa Atualidade, Cordas 0 223

Deixar um comentárioDeixar uma resposta

Tem que ter a sessão iniciada para poder comentar este artigo.

Procurar no blog

Categorias do blog

Sem produtos

A ser calculado Portes de envio
0,00€ IVA
0,00€ Total

O preço incluí IVA

Pagar