Tim Henson - Biografia, Polyphia e a sua guitarra Ibanez de assinatura

Tim Henson - Biografia, Polyphia e a sua guitarra Ibanez de assinatura

A nova geração de guitarristas tem um ídolo e o seu nome é Tim Henson. Este músico, que mais parece saído de um anime ou de uma série de ficção científica, trouxe uma nova linguagem para a guitarra, que está a inspirar fãs pelo mundo inteiro.

E há uma Ibanez Tim Henson para tocar como ele.

Conteúdos

Quem é Tim Henson?

Tim Henson e os Polyphia

Ibanez THBB10 Tim Henson Signature

Quem é Tim Henson?

Tim Henson é um guitarrista e compositor americano, membro fundador dos Polyphia. Tim Henson nasceu a 19 de Novembro de 1993 no Texas, EUA, numa família com inclinação musical. O pai tocou em bandas, sem grande sucesso comercial, e a mãe toca piano e violino.

Tim começou a ter aulas de violino logo aos três anos de idade, mas odiou a experiência: “Tive professores bastante abusivos. Se me enganasse, levava uma pancada na mão com o arco. E também não posso dizer que minha mãe era super tranquila, porque obrigava-me a praticar. Como podem imaginar, em miúdo odiava isso. Mas deu-me disciplina e estou muito grato pela experiência, pois fez-me apaixonar pela guitarra.”

A guitarra surge na vida de Tim Henson aos 10 anos quando viu o pai a tocar uma pela primeira vez. Como o pai era fã de rock clássico, Tim aprendeu com ele riffs de Black Sabbath e a escala pentatónica.

“Black Sabbath é tão fácil de aprender de ouvido. É tudo na pentatónica de Mi menor.” Aos 15 anos desistiu do violino para se dedicar totalmente à guitarra.

Essa dedicação total foi também um pouco forçada. Aos 16 anos, Tim Henson ficou de castigo e sob supervisão por consumo e posse de estupefacientes. Como não podia sair de casa e tinha muito tempo livre, entregou-se completamente à música.

Pouco tempo depois decide começar uma banda com o colega de liceu Scott LePage. E assim nasciam os Polyphia.

A proficiência musical de Tim Henson ainda o levou a candidatar-se ao Berklee College of Music, mas não entrou. E, às tantas, foi melhor assim.

Henson fala um pouco sobre a sua vida e percurso musical nesta entrevista com Herman Li, dos DragonForce.

Tim Henson e os Polyphia

Quando um grupo de jovens adolescentes da pequena cidade de Plano, Texas, têm demasiado tempo livre e uma capacidade técnica bastante evoluída nos seus instrumentos, eles dedicam-se ao metal deathcore. Bem, foi isso que os Polyphia fizeram no início.

A banda ganhou reconhecimento no YouTube a fazer covers em guitarra de música clássica mas, como as suas influências e preferências musicais são diversas, o rock progressivo foi a escolha lógica para a sua evolução artística.

Como banda do seu tempo, os Polyphia não seguiram o percurso clássico de encontrar uma editora para entrar na indústria musical, e procurou financiamento no Indiegogo, uma plataforma online onde os fãs podem apoiar diretamente os artistas, para gravar o seu primeiro disco.

A campanha resultou, e os Polyphia lançaram o seu primeiro álbum, Muse, em Setembro de 2014.

Sempre com uma atitude provocadora e de desafio perante o seu trabalho, o som evoluiu para algo completamente diferente, se bem que há sempre um toque de rock mais pesado lá pelo meio das linhas muito melódicas.

A razão para esta mudança? Dinheiro e miúdas. Henson diz que os One Direction foram uma inspiração para a banda.

“Os Polyphia tentaram conscientemente unir dois públicos muito, muito diferentes. Um, os nerds da guitarra e os barbudos. O outro, as miúdas da nossa idade, fãs de Justin Bieber/One Direction. Esse era o objetivo, mas ao longo dos anos tentamos ser menos o que não somos e apenas sermos nós mesmos.”

A imagem e a sonoridade eclética da banda foram mesmo nessa direção. No seu último disco Remember That You Will Die, os Polyphia juntam músicos de géneros distintos, como Steve Vai e Chino Moreno (Deftones), ou os rappers Lil West e $not, e ainda Brasstracks e Killstation, dois artistas de hip hop. E Sophia Black.

Apresentados assim, os Polyphia parecem apenas interessados em ser ricos e famosos. Pelo contrário. São dedicados à sua música, e reconhecem o apoio e a admiração que recebem. Tim Henson ainda se sente humilde quando, em vez de ser reconhecido como uma estrela rock, apontam para ele e dizem que é “aquele guitarrista do TikTok”.

Esse reconhecimento é retribuído em vídeos em que a banda analisa e premeia as melhores covers de músicas dos Polyphia, feitas pelos seus fãs. E os resultados são impressionantes. É uma geração inteira de músicos a ser influenciados pela sonoridade desta banda.

Quem dizia que música técnica e complexa não podia ser popular estava enganado. O seu álbum mais recente tem tido uma boa prestação nas tabelas de vendas e streams um pouco por toda a parte.

O virtuosismo dos Polyphia não está na facilidade em tocar mil notas por segundo - e eles tocam rápido - mas na forma como constroem frases muito musicais e nas técnicas que utilizam ao serviço de uma música muito apelativa e interessante, sem deixar de ser complexa e desafiadora.

É uma linguagem que vai desde o neoclássico ao metal melódico, com ritmos sincopados de bossa nova, trap e hip hop, mas é também como se fosse a banda sonora de um jogo de consola. Não acreditam? Vejam o vídeo de G.O.A.T. e depois ouçam como a linha melódica assenta na perfeição no Super Mario.

Ibanez THBB10 Tim Henson Signature

A popularidade de Tim Henson e da sua banda levaram a que a Ibanez o procurasse para assinar três modelos: a TOD10N, a TOD10 e a THBB10.

Ibanez THBB10 Tim Henson | Salão Musical

A Ibanez THBB10 tem o tom perfeito para ir do metal e rock progressivo aos timbres limpos do funk e R&B. O corpo é em tília americana e o braço é em bordo, com um recorte AZ oval em C, que permite um fácil acesso às notas mais agudas. A escala de 24 trastes tem marcadores retangulares de acrílico e abalone, e pontos fluorescentes no lado do braço.

A Ibanez THBB10 tem uma ponte de tremolo Gotoh e afinadores de fixação (locking tuners) da mesma marca modelo MG-T, em dourado, escolhidos especificamente por Henson.

Os pickups DiMarzio Notorious são também assinados por Tim Henson. São dois single coils passivos em alnico, que fornecem um som clássico, e um mini humbucker passivo em cerâmica para um som mais consistente.

As características destes pickups oferecem uma clareza e foco em cada nota, num tom perfeito para capturar a essência e a técnica de Tim Henson e do seu estilo único de tocar guitarra.

Podem comprar a Ibanez THBB10 Tim Henson Signature já no Salão Musical de Lisboa.

Seja qual for o vosso instrumento, podem tocar Polyphia num dos muitos que temos em catálogo no Salão Musical. Basta dedicação e fazer uma visita à nossa loja online. Estamos à vossa espera.

Publicado no dia 2022-12-09 por Salão Musical de Lisboa Atualidade, Cordas 0 2474

Deixar um comentárioDeixar uma resposta

Tem que ter a sessão iniciada para poder comentar este artigo.

Sem produtos

A ser calculado Portes de envio
0,00€ IVA
0,00€ Total

O preço incluí IVA

Pagar