Salão Musical de Lisboa Loja de instrumentos musicais desde 1958
Salão Musical de Lisboa Loja de instrumentos musicais desde 1958

Usamos cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Configuração de cookies

Costumização
  • Cookies de terceiros para fins analíticos.
  • Mostre recomendações personalizadas com base na sua navegação em outros sites.
  • Mostre campanhas personalizadas em outros sites.
Funcional (obrigatório)
  • Necessário para navegar neste site e usar suas funções.
  • Identifique você como um usuário e armazene suas preferências, como idioma e moeda.
  • Personalize sua experiência com base em sua navegação.

Uma breve História do Sintetizador

Publicado por2024-01-23 por 1775
Guardar

O que é um sintetizador e quais são as suas origens?

O sintetizador é um dos maiores exemplos de como a evolução da eletrónica teve um papel fundamental na evolução da música. Venham conhecer as origens e marcos mais importantes da História deste instrumento revolucionário.

Índice

O que é um Sintetizador?

Da Luz se fez Som: a revolução elétrica

A revolução eletrónica

Compactos e poderosos

Síntese FM

A revolução digital

Síntese de Software

…e de volta ao analógico

Notas finais

O que é um Sintetizador?

O sintetizador faz parte da família dos instrumentos eletrónicos. É uma máquina que produz sons a partir de um ou mais geradores eletrónicos, como válvulas ou osciladores - ou seja, dispositivos capazes de fornecer um sinal senoidal, retangular ou triangular na saída sem que nenhum sinal específico seja aplicado à entrada, explorando a única tensão de alimentação – sem o auxílio de qualquer vibração de natureza acústica ou mecânica.

Isto se falarmos de sintetizadores analógicos. Existem sintetizadores digitais, que utilizam um computador em vez de válvulas para gerar sinal e alterá-lo.

Mas os sintetizadores começaram muito antes dos computadores, mais especificamente com a eletricidade.

Da Luz se fez Som: a revolução elétrica

A história do sintetizador remonta ao final do século XIX, graças às experiências que exploravam a interação entre eletricidade e som.

As primeiras experiências que ligaram a eletricidade ao som foram realizadas por Alfred Graham em 1895 e levaram à criação de um dispositivo que gerava som a partir controlando a voltagem.

Em 1899, William Du Bois Duddell, observando o ruído das lâmpadas de arco voltaico de Londres, percebeu que poderia controlar as frequências audíveis ajustando a tensão aplicada aos eletrodos. Duddell criou o Singing Arc, um instrumento elétrico cujo funcionamento não estava muito distante do que seria utilizado mais tarde nos sintetizadores controlados por voltagem, onde a voltagem elétrica é aumentada ou diminuída com uma relação de 1 Volt por oitava.

1904 marca o surgimento do primeiro tubo de vácuo, criado por John Ambrose Fleming, que permitia controlar fluxos de corrente. Dois anos mais tarde, surge o Audion. Inventada por Lee de Forest, esta válvula tinha um terceiro eletrodo que permitia amplificar os sinais elétricos de entrada e gerava oscilações persistentes. A introdução dos tubos de vácuo em 1915, com o Audion Piano, marcou uma era em que a tecnologia de válvulas passou a impulsionar a criação sonora e que duraria até ao surgimento da tecnologia de transistores, nos anos 50.

Até essa década, surgiram vários instrumentos a válvulas como o mítico Theremin (1924), o Ondes Martinot (1928) e o Trautonium (1930).

Ondes Martenot

Foto: 30rKs56MaEJapanese Wikipedia

A revolução eletrónica

A invenção do transistor em 1947 levou a um avanço significativo da tecnologia, afetando todas as atividades humanas e a música não foi excepção. Este novo componente facilitou o controle de tensão e abriu o caminho para a miniaturização .

O aumento ou diminuição da tensão elétrica permite a síntese do som, controlando a frequência, timbre, forma de onda e intensidade com a ajuda de diferentes módulos de produção e controle de som, ligados entre si. É este sistema que cria os famosos sintetizadores modulares .

Os primeiros sintetizadores modulares são uma invenção dos engenheiros acústicos Harry Olson e Herbert Belar. Em 1955, desenvolvem o primeiro sintetizador eletrónico nos laboratórios da Radio Corporation of America (RCA). Inicialmente criado para pesquisa sonora, a sua invenção atraiu compositores em busca de novas possibilidades musicais.

O avanço significativo veio em 1957 com o RCA Mark II, o primeiro sistema eletrônico que automatizou osciladores e módulos conectados. Com doze osciladores senoidais, utilizava uma fita de papel perfurada para codificar a informação sonora, desde o controle de volume, ao timbre. O Mark II foi uma revolução, apesar de sua complexidade e tamanho imponente: ocupava uma sala inteira.

Compactos e poderosos

Robert Moog

Na década de 1960, sintetizadores como Moog III, Buchla e Syn-Ket surgiram com designs mais compactos. A síntese subtrativa, exemplificada pelo Moog, coexistiu com a síntese aditiva, introduzida por James Beauchamp, que construía tons a partir de sinais puros.

O Moog III, desenvolvido por Robert Moog, apresentava dois teclados de cinco oitavas que permitiam controle quase infinito sobre diversos aspectos do som. O Buchla, por sua vez, inovou com um "teclado" sensível ao toque, semelhante a uma escala de violino.

Mas o momento que trouxe o sintetizador para a música popular foi o MiniMoog, a versão portátil do Moog III. Era um sintetizador menor e mais barato, mais prático para atuações ao vivo e o primeiro a ser vendido em lojas de música. É o modelo padrão do conceito de sintetizadores como instrumentos independentes com teclados integrados.

Vários compositores pegaram nesta nova ferramenta e usaram-na de forma brilhante como Wendy Carlos, talvez a figura mais importante da música eletrónica. O seu álbum de estreia Switched-On Bach é a recriação de peças do grande compositor barroco num Moog. Entre outra obras relevantes de Carlos está também a banda sonora do Laranja Mecânica.

Os sintetizadores eram cada vez mais compactos e poderosos, passando a ser um dos sons que definem os anos 60 e 70, especialmente na música psicadélica e na nascente música completamente eletrónica, pela mão dos Kraftwerk. Emerson, Lake & Palmer, Brian Eno e os Pink Floyd foram outros artistas que também utilizaram os sintetizadores para definir o seu som.

Leiam 8 teclistas lendários no Blog do Salão Musical

Síntese FM

Os primeiros sintetizadores, como o Moog e o Buchla, utilizavam a síntese subtrativa, que retirava elementos indesejados de um sinal. James Beauchamp, da Universidade de Illinois, trouxe a síntese aditiva à tona, construindo tons a partir de sinais puros

A descoberta da síntese de modulação de frequência (FM) na década de 1960, por John Chowning, trouxe uma nova revolução a esta tecnologia. Esta forma de sínteses altera o timbre de uma onda sonora, modulando a sua frequência, tornando o som mais complexo. Era também ideal para dar o passo seguinte na evolução do sintetizador: a implementação digital.

Entretanto, a evolução do sintetizador de instrumento monofónico para instrumento polifónico - ou seja, de uma nota apenas para várias vozes em simultâneo - fez com que fosse cada vez mais usado em instrumentações complexas e como base de composições.

A revolução digital

Em 1978, uma nova empresa americana chamada Sequential Circuits lançou um instrumento inovador, o polifónico Prophet 5. Foi o primeiro sintetizador "híbrido", que combinava a produção de som analógico com o controle digital. Por essa altura, a Moog revela seu Polymoog, totalmente polifónico. Surgiram também outros sintetizadores com armazenamento de memória, como o Oberheim OB-X e o Roland Jupiter-4 .

Entretanto, a introdução do MIDI em 1981 revolucionou a comunicação entre instrumentos musicais digitais, e seria fundamental para ligar estes instrumentos a uma nova ferramenta que começava a surgir na vida quotidiana: o computador pessoal.

Teclados /
controladores midi - Salão Musical

Teclados / controladores midi - Salão Musical

Síntese de Software

A era digital trouxe consigo o surgimento da síntese de software, com o lançamento do primeiro sintetizador de software comercial, o Reality, em 1997. A integração de sintetizadores de software em estações de trabalho de áudio digital (DAWs) através do padrão VSTi, criado pela Steinberg, impulsionou a expansão desta forma de criação musical.

A síntese de software evoluiu consideravelmente à medida que os computadores se tornaram mais poderosos. Tecnologias como a modelagem física, granular e a síntese de teclados eletromecânicos tornaram-se parte integral de softwares DAW avançados.

Esta tecnologia é a base dos estúdios caseiros e os sintetizadores, seja em que formato, sistema de síntese ou tecnologia de processamento, são uma ferramenta fundamental para produtores e criadores musicais de toda a escala.

Como montar um estúdio em casa?

…e de volta ao analógico

O século 21 testemunhou a ressurreição de teclados analógicos e equipamentos modulares. A introdução do formato Eurorack pela Doepfler Electronics, em 1996, e o renascimento de designs históricos por empresas como Moog, Roland e Korg destacam a coexistência entre o passado e o futuro na paisagem dos sintetizadores.

Hoje em dia, existem ávidos colecionadores de sintetizadores modulares analógicos e é muito comum ver artistas eletrónicos modernos a utilizar estes sistemas ao lado de sistemas digitais, como Ólafur Arnalds.

Notas finais

Hoje, o mundo dos sintetizadores é caracterizado por uma diversidade incrível de abordagens tecnológicas e estilos musicais. Do surgimento do Singing Arc à síntese digital contemporânea, a história do sintetizador é uma saga fascinante de inovação, expressão musical e constante busca por novas fronteiras sonoras.

São instrumentos cada vez mais avançados e poderosos, sendo possível ter uma orquestra nas nossas mãos, com sons reais (ou mais irreais ou surreais) ao nosso dispor. E a um preço cada vez mais acessível.

Se quiserem saber mais sobre a história do sintetizador, recomendamos os seguintes recursos:

Se são, ou ficaram fãs, do som sintetizado, temos no catálogo do Salão Musical sintetizadores de vários tipos. Visitem a nossa loja online e descubram o instrumento que vos pode inspirar para fazer mais e melhor música.

>Órgãos
eletrónicos - Salão Musical

Órgãos eletrónicos - Salão Musical

Foto: Adi Goldstein / Unsplash

Deixar um comentário
Deixar comentário
Faça login para inserir um comentário
Salão Musical de Lisboa Loja de instrumentos musicais desde 1958

Salão Musical de Lisboa

Crie uma conta gratuita para guardar produtos favoritos.

Registar