Salão Musical de Lisboa Loja de instrumentos musicais desde 1958
Salão Musical de Lisboa Loja de instrumentos musicais desde 1958

Usamos cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Configuração de cookies

Costumização
  • Cookies de terceiros para fins analíticos.
  • Mostre recomendações personalizadas com base na sua navegação em outros sites.
  • Mostre campanhas personalizadas em outros sites.
Funcional (obrigatório)
  • Necessário para navegar neste site e usar suas funções.
  • Identifique você como um usuário e armazene suas preferências, como idioma e moeda.
  • Personalize sua experiência com base em sua navegação.

50 tons de baixo

Publicado por2021-06-09 por 2985
Guardar
Não são exatamente cinquenta. São muitos mais.

Foto  Kari Shea / Unsplash

Há séculos que os instrumentos de frequências mais graves fazem parte do rol de opções dos compositores como suporte para a harmonia e cadência das peças. Exemplo clássico, se bem que a designação correcta é barroco, é o segundo andamento da Suite para Orquestra nº3 de Bach, onde a melodia é completamente levada ao colo pelo sector mais grave do conjunto.

Com o jazz, os baixos - ou melhor, os contrabaixos - tinham a responsabilidade de dar balanço a construções harmonicamente complexas, porque o objectivo era pôr o público a dançar. Era a época das big bands e do swing, e a secção rítmica segurava os metais.

O mesmo conceito foi utilizado no rock primitivo e no rockabilly, mas os trompetes, saxofones e afins foram substituídos por guitarras elétricas. As bandas deixaram de big e  passaram a ser trios ou quartetos, como uma atitude rock and roll que fez com que o contrabaixista ganhasse outro destaque. Até que os amplificadores das guitarras elétricas os começaram abafar, e a necessidade de tocar para multidões cada vez maiores exigia outra capacidade de projecção. 

Nos anos 50, Leo Fender (quem mais?) com a ajuda de George Fullerton, criou o primeiro baixo elétrico para produção em massa - o lendário e ainda atual Fender P-Bass -  e um novo mundo sonoro se abriu. Até agora, o som era sempre o mesmo: um contrabaixo soa a contrabaixo. Ligado à corrente e com amplificação, o instrumento que marca o ritmo ganhava novas cores.

A própria evolução do rock e a experimentação musical em diversos géneros, nos anos 60 e 70, levou a que as marcas criassem ofertas específicas para os baixistas que procuravam novas sonoridades. O baixo ganhou novas curvas e timbres, com personalidades adequadas para cada estilo musical, numa variedade sonora que muitos nem suspeitam que existe.

Leiam mais artigos dedicados à guitarra baixo no blog do Salão Musical

Baixos para todos os gostos

Bart Soeters é um baixista que quis demonstrar as diversas cores que um baixo pode ter, nas suas diversas versões. Por isso, fez um pequeno vídeo onde usa 33 baixos diferentes e uma guitarra barítono. Ouçam as diferenças.

Há de tudo, desde contrabaixos a ukuleles baixo, e baixos elétricos de quatro, cinco e seis cordas, com trastes e sem trastes. 



Por exemplo, o ukulele baixo que vemos no vídeo é um Mahalo, uma das marcas mais populares de ukuleles do nosso catálogo. Temos também o APC UKU BASS S Preamp, um ukulele baixo fabricado em Portugal. Com a mesma afinação de um baixo padrão, serve tanto para acompanhar outros ukuleles ou mesmo guitarras, sem grandes dificuldades para o baixista.

Lá pelo meio podemos ver também uma sequência com clássicos da Fender: o Jazz Bass e o Precision, modelos que antes estavam fora do alcance de muitos músicos, mas que a marca americana democratizou através da Squier, produzindo instrumentos de grande qualidade a um custo muito acessível. 


O Fender Squier Jazz Bass, da série Affinity, é um excelente exemplo de como podemos ter o espírito clássico de um baixo lendário com um som moderno. Todas as características essenciais estão lá, desde o formato icónico do corpo, à configuração dos pickups single-coil. 

E é tão versátil que dá para tocar praticamente qualquer género musical.

Outra marca que podemos ver no vídeo, que inovou e deu um novo som à guitarra baixo, é a Yamaha. Os baixos da marca japonesa são tão versáteis e fiáveis que são a escolha de muitos músicos profissionais. 

Um dos modelos mais apetecidos é o Yamaha TRBX305 BK de 5 cordas, que é capaz de se expressar nos estilos mais díspares. Aliás, toda a série TRBX é um portento de versatilidade sonora. Vejam os modelos que temos em catálogo

 

Por incrível que pareça, os baixos em versão acústica ou semiacústica só começaram a ganhar popularidade nos anos 90, muito provavelmente por causa da série de concertos Unplugged da MTV.   

30 anos de MTV Unplugged

30 anos de MTV Unplugged - No início dos anos 90 os concertos acústicos da MTV estavam na berra

A procura foi tanta que as marcas foram obrigadas a produzir instrumentos para todos os gostos e carteiras. 



A Fender procurou satisfazer os músicos que precisavam de mais uma opção na sua coleção e criou o Fender Classic CB 60SCE, um baixo eletroacústico muito capaz e acessível, para ser tocado frequentemente, mesmo em modo não amplificado. É perfeito para as jams sessions de Verão e para sessões mais intimistas, onde o sentimento e a subtileza são o principal factor. 

Uma das características mais impressionantes das guitarras baixo é que têm mais variações que as guitarras elétricas, do formato à configuração, da electrónica ao número de cordas, da presença à ausência de trastes. Isto faz com que a variedade sonora seja muito vasta, ainda antes sequer de lhes aplicar equalização e efeitos mais à frente na cadeia de amplificação. 



Um exemplo desta diversidade é o Artimúsica 33133 Luxo, um baixo acústico belíssimo, com uma sonoridade única, muito característica por ser um fretless. É daqueles instrumentos feitos para músicos que dominam bem a sua arte e querem um veículo para se expressarem totalmente, no topo da sua capacidade técnica. 

Para além dos 50 tons 

Como vimos e ouvimos, só o próprio instrumento é capaz de produzir uma paleta enorme de sons e timbres. Mas o potencial ainda é maior quando ligado a um amplificador e a uma cadeia de pedais de efeitos. 

Para quem ainda está a descobrir as possibilidades da guitarra baixo, a série Rumble da Fender é um óptimo ponto de partida para desenvolver a técnica e uma sonoridade própria. 

Juntem alguns pedais à receita e o céu é o limite. Alguns dos pedais e pedaleiras de efeitos que recomendamos para melhorar e  são:

Tocar baixo é mais do que dar as notas da raíz dos acordes ao mesmo tempo do bombo. É um instrumento mais complexo do que as suas tradicionais quatro cordas deixam adivinhar, e que é o motor de qualquer conjunto musical. E, nos últimos 70 anos, ganhou outras tonalidades que enriqueceram o seu som original e o som de toda a música moderna. 

Se estiverem a pensar comprar um (ou mais um) baixo, o Salão Musical tem modelos para todos os gostos e necessidades. Visitem a nossa loja online.  

Deixar um comentário
Deixar comentário
Faça login para inserir um comentário
Salão Musical de Lisboa Loja de instrumentos musicais desde 1958

Salão Musical de Lisboa

Crie uma conta gratuita para guardar produtos favoritos.

Registar